quinta-feira, 27 de janeiro de 2011

Aparências

Nunca esteve tão na moda a frase que diz: “As aparências enganam”, ou você vai dizer que não conhece ninguém que vive de aparências, que finge ser o que não é, ter o que não tem, sentir o que não sente, somente para estar bem com os outros. Nos dias de hoje as pessoas se concentram mais em competir umas com as outras, do que em admitir quem são realmente, e o fazem simplesmente por valorizar demais a opinião alheia, por achar que para ser aceito têm que ser igual aos outros, ou seja, vai se estereotipando e assim contribuindo para a criação de uma sociedade artificial, de conceitos apenas aparentes, que se modificam a cada nova tendência.

Podemos citar como exemplo de convívio de aparências as modinhas de hoje em dia, algumas pessoas vestem-se de maneiras diferenciadas somente para sentir-se parte de um grupo, muitas vezes só para acompanhar os amigos, e de tempos em tempos, muda de estilo, de tribo, sem ao menos perceber que o que lhe falta é personalidade. Pessoas com personalidade não vivem de aparência, isso é fato, pois assumem seu próprio estilo independente do que os outros venham a falar, aceitam as criticas e as respondem a altura do interlocutor, que muitas vezes nem sabe o que está criticando, mais o faz somente porque todos o fazem.

Outro problema gerado pelo mundo de aparências em que vivemos é o preconceito, que é um sentimento que não aceita diferenças, ou seja, critica-se toda e qualquer atitude que desvie do que a maioria considera aceitável, que não esteja de acordo com os parâmetros impostos pela sociedade em que vivemos. E assim geram um clima de animosidade entre os indivíduos, que em busca de defender sua ideologia e o que consideram como certo, são intoleráveis contra os demais, no que diz respeito a seu modo de viver e se expressar, como também no que se refere às diferenças culturais de uma sociedade para outra, já que o mundo de hoje está impregnado de falso moralismo e cercado de incoerências históricas, que nos tornam seres cada vez menores intelectualmente.

Pois é inaceitável nos dias hoje, em pleno século XXI, vivermos condicionados as aparências, dependendo da aprovação dos demais para nos considerarmos normais e úteis para sociedade. É preciso que nos tornemos mais independentes, e menos suscetíveis as vontades alheias, que sejamos quem somos sem nos importar o que pensarão ou até mesmo falarão de nós, pois como diria Bob Marley, “Preocupe-se mais com sua consciência do que com sua reputação, pois sua consciência é o que você é, e sua reputação é o que os outros pensam de você, e o que os outros pensam é problema deles!”.

By: Rivaldo Yagi

5 comentários:

Rolando disse...

ola. tudo blz? estive por aqui. muito interessante. gostei. apareça por la. abraços.

Anônimo disse...

Ryagiiii, saudade, teus textos estão cada vez melhores, se tu quiser dar uma passada no meu diário me passa teu e-mail pro meu e-mail, grasyela18@hotmail.com


www.grasielarosa.blogspot.com


Você nunca mais me visitou, eu andei tirando algumas pessoas, e fiz bobeira e tirei você também, agorta preciso do seu e-mail pra você entrar com Permissão. Beijão e um abração!!!

lu trevejo disse...

Tenho passado por aqui.
Hj resolvi add .
Viciei.

lu trevejo disse...

Tenho passado por aqui.
Hj resolvi add .
Viciei.

DL3 disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.