sábado, 2 de abril de 2011

Cara ou coroa? Não, eu sou mais eu!

Na vida tudo tem dois lados, duas faces, sentidos distintos para o mesmo fim, porém não se trata de certo ou errado, bem ou mal, é algo maior, que faz parte de cada um de nós, influindo diretamente no que somos, como somos e está ligado diretamente com nossas escolhas.

Aliás, o que mais fazemos diariamente são escolhas, decisões que terão grande significado no que acontecerá conosco durante o restante do dia, gerando conseqüências não somente neste dado momento, mas sim para o resto de nossa existência. Mesmo sabendo que passamos grande parte de nossos dias fazendo escolhas, não damos tanta importância para tais, quase nunca pensamos sobre elas, o que pode surgir como resultado, e muito menos o que poderemos fazer para solucionar possíveis problemas.

Salvo as devidas exceções, a maioria de nós age por impulso, faz o que lhe parece razoável no momento e deixa para se preocupar com o resultado quando o mesmo chegar, é como se esperássemos a conta chegar para sabermos se poderíamos pagar, exemplificando desta forma parece uma atitude incoerente, contudo, é o que a maioria de nós anda fazendo. Diferente do que muitos pensam, o resultado de nossas escolhas nada tem a ver com sorte ou azar, estas vertentes são só figuras de linguagem ou desculpas utilizadas para tirar de nossas costas a responsabilidade pelo resultado de nossas decisões.

Todos têm somente uma vida, sendo assim, devemos aproveitá-la da melhor maneira possível, desde que o façamos de maneira prudente, procurando pesar cada escolha feita e sempre antes de colocá-la em pratica analisar as possibilidades, para que assim encontremos uma solução rápida para solucionar qualquer problema que possa vir a surgir. Entretanto não é o que a maioria de nós faz, já que fomos criados em um mundo de desculpas prontas, só nos basta escolher a mais apropriada e lançá-la como se fosse uma verdade incontestável, o que na realidade não é, pois nem tudo na vida pode ser resolvido no cara e coroa, nem tudo pode ser deixado por conta do acaso, mesmo por que ao contrario do que diz o refrão da música, o acaso não vai lhe proteger quando você ficar distraído, ele vai lhe impor as conseqüências das decisões tomadas através das escolhas possíveis, e só o que se poderá fazer é aceitar e correr atrás do prejuízo, que lhe colocará novamente no ponto de partida, ou seja, escolhas, esperando que dessa vez aprenda e saia do sistema tentativa/erro, pois só assim poderá buscar seus objetivos com maior chance de êxito, já que quando racionalizamos sobre as possibilidades, se não escolhermos a certa pelo menos teremos uma solução em vista e tudo se tornará mais fácil. Mais se preferir continuar fazendo escolhas impulsivamente, vá em frente, jogue a moeda, e aposte no acaso, cedo ou tarde saberás o resultado.

By: Rivaldo Yagi