terça-feira, 23 de agosto de 2011

Ainda somos os Mesmos?!

Mesmo com todo o avanço tecnológico e as facilidades dos dias de hoje, ainda assim nos deparamos com situações idênticas as quais nossos Pais e quem sabe até nossos avós passaram. É certo que temos a acessibilidade a nosso favor, vivemos em uma geração de internautas, que vivem grande parte de seus dias sentados em frente a um computador, ou até mesmo acessando a rede através dos celulares ultramodernos que possuem, cartas foram substituídas por e-mails, o que agilizou muito a comunicação com quem está distante, ou nem tanto, mais que precisamos de um contato urgente. A refeição rápida, que pode ficar pronta em poucos minutos, ou até mesmo os lanches feitos quase imediatamente nas casas de Fast Foods, tudo isso facilitou muito a vida de todos nós.


Contudo houveram algumas coisas que não mudaram em nada, ainda vivemos em funções de coisas que também povoaram a vida de nossos antecessores, como por exemplo, as turminhas da escola, a necessidade de autoafirmação perante os demais de mesma idade, a busca por um espaço e até mesmo aceitação pelas “tribos” da época, tendo como consequência a mudança de comportamento muitas vezes gritante, e que em muitas das vezes afeta ou afetou a relação com os familiares. Já que pensamos por um momento que ser aceito ou até mesmo liderar uma turma nos faria melhores ou mais felizes, ledo engano, muito se arrependem das atitudes que tomaram e até dos vícios que contraíram, outros carregam nas costas estigmas de atos impensados, impulsivos e que lhes geraram ônus para vida toda.


O que nos faz perceber que o Mundo pode mudar o quanto quiser, mesmo que tenhamos infinitas responsabilidades, e o dia a dia fique cada vez mais corrido, ainda conservaremos muitas características de antigamente, pois como diz um trecho de uma música cantada por Elis Regina, “...ainda somos os mesmos e vivemos como nossos País...♪”.


By: Rivaldo Yagi

Um comentário:

A Mente dos Inválidos disse...

Parabéns pelo texto, concordo com tudo que disse aqui e, ainda, a música, a canção como nossos pais é uma herança a tudo que vivemos hoje!